8º Congresso da Força Sindical São Paulo traça estratégias em prol do trabalhador

Olá, amigos! No dia 12 de maio, o Clube do Sindicato dos Metalúrgicos de Piracicaba teve a honra de receber sindicalistas de entidades filiadas à Força Sindical São Paulo de vários municípios, que participaram do seu 8º Congresso. Foram discutidos temas como as reformas previdenciária e trabalhista, terceirização, organização sindical, política internacional e fortalecimento da Central.

Na ocasião, também foi eleita a nova diretoria, presidida mais uma vez por Danilo Pereira, que concorreu em chapa única e permanecerá por mais quatro anos à frente da entidade. O presidente da Central em âmbito nacional, deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, também levou sua palavra ao público, na presença do prefeito de Piracicaba, Barjas Negri.

Prestigiaram o evento, ainda, o presidente da Federação dos Metalúrgicos do Estado, Claudio Magrão; o secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Piracicaba e região, Wagner da Silveira, o Juca; o coordenador da Força Regional Fânio Luis Gomes; os presidentes do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes, Miguel Torres e das Costureiras de São Paulo, Eunice Cabral; a secretária Nacional de Políticas para as Mulheres da Força, Maria Auxiliadora; o secretário-geral João Carlos Gonçalves, o Juruna, o presidente licenciado do Sindicato Nacional dos Aposentados da entidade, João Batista Inocentini, dentre outras lideranças.

Organizado a cada quatro anos, o congresso é uma grande oportunidade de troca de ideias e estabelecimento de estratégias de defesa dos direitos do trabalhador, mais essenciais do que nunca neste momento agudo de crise. Nas três plenárias que ocorreram antes do evento, mais de mil pessoas participaram, o que mostra o compromisso na busca de soluções para os problemas atuais, que tanto afligem cada pai de família, empregado ou não.

As reformas que vêm sendo propostas pelo Governo Federal acabaram tendo grande espaço este ano e a primeira medida tomada foi iniciar a organização de um grupo de pressão aos parlamentares e ao Poder Executivo para uma marcha a Brasília, o que ocorreu no dia 24, com ampla cobertura da imprensa.

A união dos trabalhadores é vital para nos fortalecermos, mantermos nossas conquistas e alcançarmos, no mínimo, o que temos perdido nos últimos anos. Só a Força em São Paulo representa 15 categorias no Estado.

Não podemos permitir retrocederem nossos direitos! Além de rever a questão das reformas, também é necessária uma retomada da economia, com políticas que geram emprego. Isso depende do crescimento, que tire do “limbo” parte dos quase 14 milhões de desempregados do País e faça o investidor voltar a acreditar no Brasil. Estamos fazendo a nossa parte!