Ano novo… vamos pensar também em quem está começando?

Olá, amigos! Neste nosso primeiro “encontro” de 2016 quero começar desejando saúde, força e determinação para cada um dos leitores. As perspectivas para o ano continuam não sendo das melhores no País, mas temos o dever de pelo menos tentar fazer diferente, fazer o possível dentro do nosso próprio universo.

Retomo nossa conversa voltado especialmente aos responsáveis pelas empresas públicas, privadas, entidades sem fins lucrativos e instituições de ensino de Piracicaba e região. Quero falar com vocês sobre dois dos programas da Secretaria Estadual do Emprego focados em quem está iniciando uma carreira ou quer e precisa entrar no mercado: o Jovem Cidadão – Meu Primeiro Trabalho e o Aprendiz Paulista.

O Jovem Cidadão foi criado em 2000 com o objetivo de reduzir a vulnerabilidade dos estudantes, oferecendo experiência nas áreas administrativa, financeira e comercial, estimulando o interesse pelos estudos e melhorando o desempenho escolar. Se naquele tempo já era indispensável, imaginem no cenário atual?

O programa faz o “meio de campo” entre empregadores e candidatos para estágio sem vínculo empregatício. A bolsa paga pelo Governo do Estado é de R$ 65 mensais, mais seguro de vida e acidentes pessoais. Pela empresa, o mínimo é de R$ 3,13 por hora e vale-transporte. O contrato é de seis meses, prorrogável por igual período, com jornada diária de quatro a seis horas, de segunda a sexta. O estagiário tem acesso a cursos gratuitos online.

Podem participar matriculados no ensino médio da rede estadual com idades entre 16 e 21 anos. Quase 190 mil jovens conseguiram estágio desde o início do programa, em 22 mil parceiros cadastrados. Em 2015, 4,6 mil jovens foram admitidos. As vagas captadas somaram 5,6 mil. Se tivéssemos mais oportunidades, será que elas não teriam sido em número maior? Na região de Piracicaba, já tivemos como parceiros a Hyundai, o Departamento de Águas e Energia Elétrica e a Drogal, com 123 contratações.

No Aprendiz Paulista, programa que ajuda estudantes de 14 a 24 anos dos cursos técnicos do Centro Paula Souza a encontrarem trabalho dentro da área em que estão, temos com a gente as duas Etecs (Escolas Técnicas Estaduais) da cidade. É experiência para eles e mão de obra qualificada para a empresa. De 2010, quando foi criado, até 2015, quase 5,6 mil estudantes foram inseridos, em 149 municípios. Na região administrativa de Campinas, estamos falando de 796 contratados, 377 só em Piracicaba (praticamente a metade). Aliás, em quatro desses anos ela ficou atrás apenas da Capital em número de empregos. Mas queremos e podemos mais!

Importante ressaltar que existe uma cota de aprendizes a ser cumprida pelas empresas de médio e grande portes, que varia de 5 a 15% do total de empregados. Como os jovens são pré-selecionados, o processo de escolha por parte do empregador é agilizado, sem contar o apoio permanente da equipe do Aprendiz Paulista.

A jornada é de quatro horas diárias na empresa e quatro na Etec. A contratação é pela CLT, em que o aprendiz recebe o mínimo de R$ 4/hora do empregador além de vale-transporte, 2% de FGTS e o INSS. Outras formas de salários possíveis são os mínimos federal e estadual, ou acordo de convenção coletiva, todas com inclusão dos benefícios.

Pessoal, uma chance é só o que o jovem precisa! Ele devolve à sociedade muito mais do que recebe. Ao empregador, a capacidade e competência que já existem e as qualidades a serem lapidadas. É uma mão de obra cheia de energia, sem vícios profissionais e selecionada de acordo com as necessidades do contratante. Um bom negócio para todos os envolvidos, não é? Vamos aprofundar a discussão?

Para os dois programas, estudantes e empregadores podem se inscrever pelo site www.empregasaopaulo.sp.gov.br. Obrigado e até a próxima!

José Luiz Ribeiro, o Zé Luiz, é secretário de Estado do Emprego e Relações do Trabalho