Chance de primeiro emprego é maior no setor de serviços

Debora (em pé) e sua equipe contratada via Jovem Cidadão (foto Paulo Cesar Rocha)

Programa do governo do estado insere estudante do ensino médio no mercado de trabalho

São Paulo, 19 de novembro de 2014 – Mais de 8,4 mil estudantes do ensino médio estadual, com idade entre 16 e 21 anos, foram inseridos no mercado de trabalho, entre janeiro e outubro deste ano. A primeira oportunidade profissional para este grupo foi obtida através do Jovem Cidadão, programa gerenciado pela Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT). Destaque para o setor de serviços, que absorveu 80% da demanda, segundo a supervisão do programa.

As parcerias com empresas públicas, privadas e entidades sem fins lucrativos permitiram a captação de 7,9 mil vagas no período. “Existem mais vagas nas áreas de atendimento ao cliente e administrativa, principalmente nas companhias de transporte público, montadoras, multinacionais e também empresas de pequeno porte”, conta Renata Ferreira, supervisora do Jovem Cidadão.

A empresa contratante fica responsável pelo pagamento mínimo de R$ 3,13/hora e vale-transporte. O Estado paga bolsa mensal de R$ 65 e seguro de vida. “É comum que as empresas ofereçam uma ou duas vagas e contratem mais candidatos por gostarem do perfil dos jovens”, diz Ferreira. A contratação é feita em caráter de estágio, que varia entre 4, 5 ou 6 horas diárias, com duração de seis meses, podendo ser renovado por mais seis meses.

“O programa tenta minimizar as principais causas do desemprego dos mais jovens, que é a falta de experiência profissional e a baixa escolaridade”, resume o secretário de Estado do Emprego, Tadeu Morais. O Jovem Cidadão atende as regiões de Campinas, Piracicaba, São José dos Campos, Santos e Grande São Paulo.

Mudança de vida

O processo de intermediação de mão de obra é destacado por empregados e empregadores. Atualmente, uma empresa do ramo de máquinas de café expresso e insumos, situada na zona leste da capital, conta com quatro funcionárias contratadas por meio do programa – três delas foram efetivadas após o período de estágio.

Camila Almeida, efetivada depois do término de contrato (foto Paulo Cesar Rocha)

Uma delas é Camila Almeida, 21, que está há quatro anos na empresa. Aos 17 anos, ela cursava o segundo ano do ensino médio e foi indicada pela escola para participar do programa. “Comecei com o contrato de seis meses, que foi renovado por mais seis. Depois da efetivação, fui auxiliar administrativa, de vendas e há um ano sou supervisora”, lembra.

Moradora da Vila Antonieta, a jovem trabalha desde os 15 anos. “Já fui babá, doceira e atendente de rotisserie e pet shop”, lembra. Ela conta que pretende cursar Recursos Humanos ou Enfermagem no primeiro semestre do ano que vem.

Para a sócia-gerente da empresa Debora Bertan, 48, que tem parceria com o programa desde 2007, é “gratificante” participar diretamente da transformação na vida dessas pessoas. “Mantenho contato com jovens que passaram por aqui. Algumas estudaram, se formaram e mudaram de vida. Outras, inclusive, tiveram experiências internacionais”, revela. Sobre o quadro atual, ela é enfática. “Treinamos e queremos ficar com elas por muito tempo.”

Informações

O cadastro, tanto de alunos quanto de empregadores, pode ser feito pelo site www.meuprimeirotrabalho.sp.gov.br. O suporte está à disposição no: (11) 3241-7455.

 Tadeu Inácio

Assessoria de Imprensa da SERT