Empresas relatam benefícios trazidos pela diplomação em Boas Práticas de Trabalho Decente

São Paulo, 28 de março de 2018 – Sabe aquele produto que você ama? Já parou para pensar quais as condições de trabalho de quem o faz? O Governo do Estado de São Paulo, por intermédio de sua Secretaria de Emprego e Relações do Trabalho, tem essa preocupação. Por isso, desde março de 2015 realiza a diplomação de empresas em Boas Práticas, ação gerenciada pelo programa Trabalho Decente.

Hoje elas somam nove, de diversos portes e áreas de atuação: Accenture, Bombril, Fersol, HanesBrands, Hyundai, KPMG, Lupo, RG Serviços e Sodexo. Para receber o diploma, é preciso passar por um processo de auditoria onde são avaliados diversos quesitos, como jornada de trabalho, igualdade de oportunidades, estabilidade, segurança do ambiente, entre outros. A aprovação é condicionada aos 70% de aproveitamento nos quesitos citados.

O conceito de Trabalho Decente foi constituído pela OIT, em 1999, com base na Declaração dos Princípios e Direitos Fundamentais do Trabalho. Para a disseminação do tema, foi criada a Agenda Global de Trabalho Decente, que estabelece compromissos com os países-membros. A finalidade é constituir instrumentos para a efetiva implantação de práticas de Trabalho Decente. Em 2013 foi criada a Comissão Estadual que trata do tema.

RG Serviços

A RG Serviços, de Ribeirão Bonito, atua em 300 quilômetros de seu entorno, incluindo cidades do Paraná e Minas Gerais, principalmente no ramo cimenteiro. Com apenas cerca de cem funcionários, sempre teve preocupação em atuar de forma coerente e ética com o mercado e os profissionais. “A cidade é pequena, quase totalmente agrícola, muito carente em oportunidades de emprego e lugares em que as pessoas se sintam valorizadas”, disse Ricardo Francisco de Lima. Além disso, para eles a questão da segurança é primordial, por ser uma empresa de risco quatro (numa escala que chega a cinco).

Os proprietários souberam da diplomação no Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Pirapora. “Achávamos meio impossível sermos classificados, por sermos pequenos e estarmos fora dos grandes centros urbanos. O principal diferencial foi a questão da credibilidade. É um atrativo a mais, tem um ‘peso’ positivo o carimbo do Estado. Logo na primeira visita a possíveis clientes já falamos, a confiança fica maior.”

Já Waldir Cravo falou das expectativas. “Em março de 2015, após todas as etapas do processo, recebemos com euforia a informação de que havia dado certo. Nos surpreendemos, pois as demais empresas eram todas líderes em seus respectivos mercados. No evento fomos destacados junto às demais e esse fato nos impulsionou na busca por conquistas cada vez mais arrojadas. Crescemos em todos os aspectos, ampliando o quadro de colaboradores, as capacitações, formação de novas lideranças, ampliação das consultorias corporativas e, consequentemente, conquistando novos mercados”, destacou.

A HanesBrands, unidade de Cotia, conta com 325 funcionários e foi diplomada em 2015. Maior comerciante de vestuário básico diário do mundo, dentre roupas íntimas, camisetas, moletons, dentre outros, é uma fabricante socialmente responsável, daí o interesse pelo programa. Criada em 1901, com mais de 65 mil colaboradores em 40 países, preocupa-se com a inovação, excelência em produtos e reconhecimento de marca.

“Foi muito importante para a imagem da empresa e para todos os funcionários, que se sentiram ainda mais orgulhosos em atuar em uma empresa que se preocupa com as boas práticas de trabalho decente. Também tem sido muito relevante em auditorias e em apresentações que fazemos. De forma geral foi muito gratificante receber esse diploma, pois demonstra o reconhecimento do comprometimento que sempre tivemos com a comunidade e nossos colaboradores”, afirma o gerente de RH Ilson da Silva Pereira.

Sodexo

Qualidade de vida e um ambiente de trabalho inclusivo e com diversidade foi o que buscou a Sodexo. “Elas estão na nossa cultura, enxergamos esse pilar como um diferencial de negócio. Entendemos que equipes diversas são mais engajadas, inovadoras e performam muito melhor. Desde que obtivemos o diploma de Boas Práticas de Trabalho Decente implantamos uma série de projetos e práticas para garantir esses benefícios para nossos colaboradores”, explicou a coordenadora de Diversidade e Inclusão Lilian Rauld.

Para a inclusão de pessoas com deficiência, uma das ações foi disponibilizar o curso de libras e vídeos de treinamento sobre o assunto, além do oferecimento maior de vagas para esse público, que vem num crescente. Com relação à jornada de trabalho, foram implantadas algumas políticas para a flexibilidade de horário, como home office e um projeto que permite aos colaboradores funcionais duas tardes livres durante os meses de verão.

Na empresa, 70% são mulheres. No Comitê de Liderança Regional, 50%.
Ela destaca o Encontro de Liderança Feminina, criado em novembro de 2016, que conta com a participação de executivos das duas divisões (Sodexo On-site e Sodexo Benefícios e Incentivos). “O grupo tem como objetivo incentivar a igualdade de gênero e proporcionar o desenvolvimento e crescimento profissional das mulheres. Os encontros trazem debates sobre o tema de empoderamento, com a presença de especialistas no tema, clientes e gestores, com a missão de disseminar o conteúdo às equipes. Em linha com sua política global de diversidade e inclusão, o Grupo Sodexo no Brasil assinou, na mesma época, sua participação nos WEP’s Mulheres (WEPs – Women’s Empowerment Principles).

Localizada em Piracicaba, a Hyundai Motor Brasil produz os modelos HB20, montados apenas por aqui, e SUV Hyundai Creta, que é montado em outros países mas recebeu uma versão exclusiva para o mercado nacional. A capacidade de produção é de 180 mil carros por ano, envolvendo cerca de 2.500 funcionários. O Brasil é o sétimo País a contar com uma fábrica da Hyundai fora da Coréia do Sul.

“Nossa certificação foi conquistada após avaliação por auditoria gabaritada, em razão de um conjunto de aspectos observados, dos quais podemos destacar a jornada de trabalho em três turnos, sem horas extras; a oferta de 5% do quadro de vagas para pessoas com deficiência, cumprindo 100% da legislação; salários condizentes com as faixas de mercado para cada cargo e atividade, assim como igualdade de remunerações e na oportunidade de carreira; treinamentos e capacitações constantes; programa de benefícios extensível aos dependentes; tratamento respeitoso e igualitário entre todos; ambiente seguro e com índices de acidentes próximos a zero (oito vezes menor que a média nacional)”, expôs o diretor executivo administrativo Ricardo Augusto Martins.

Martins afirma, ainda, que as boas práticas de trabalho da Hyundai Motor Brasil estão influenciando as demais empresas do grupo Hyundai/Kia, que correspondem atualmente a cerca de 270 mil colaboradores, “sendo um exemplo para o setor automotivo e demais segmentos da indústria brasileira”, conforme ressaltou.

Saiba mais sobre a SERT e o trabalho decente: https://bit.ly/2FRbnDV

Assessoria de Comunicação da SERT
Texto: Adriana Rota
Fotos: Divulgação