Estado beneficia 840 pessoas com Frente de Trabalho

Programa Emergencial de Auxílio-Desemprego contempla 19 municípios da Grande São Paulo e do interior do Estado

Com o objetivo de proporcionar qualificação profissional e renda para cidadãos desempregados e em situação de alta vulnerabilidade social, o Programa Emergencial de Auxílio-Desemprego – Frente de Trabalho – implantou 840 bolsas em todo o Estado durante o primeiro semestre de 2017.

“O programa é fundamental para quem está passando por dificuldades. Em momentos de crise, como o que estamos atravessando, a gente ameniza o sofrimento do trabalhador, que é o maior atingido nessas situações”, afirma o secretário de Estado do Emprego, José Luiz Ribeiro.

No primeiro semestre, a Frente de Trabalho passou por 19 municípios. São Vicente (Penitenciária II), Santa Isabel, Votuporanga, Nhandeara, Jaci, Ariranha, Severínia, Taiuva, Miracatu, Juquiá, Jacupiranga, Piracaia, Caieiras, São Lourenço da Serra, Itapecerica da Serra, Embu das Artes, Juquitiba e Santana de Parnaíba, além das bolsas implantadas em parceria com a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) e com o Fundo Social de Solidariedade (FUSSESP), na Capital. Para este mês, estão previstas mais duas implantações em Itapevi e Carapicuíba.

Durante nove meses, os bolsistas permanecem no programa com atividades de até seis horas diárias, quatro dias por semana. No quinto dia, o participante passa por um curso de qualificação profissional ou de alfabetização.

Desde sua criação, em 1999, a Frente de Trabalho já beneficiou cerca de 315 mil pessoas em todo o Estado. “Em um momento de crise, a Frente de Trabalho leva esperança e qualificação aos cidadãos desempregados. Muitos conseguem se reerguer após passar pelo programa”, ressalta o supervisor do programa, Roberto Mazini.

Mais sobre a Frente de Trabalho

O bolsista recebe, mensalmente, bolsa-auxílio de R$ 300 (incluído o cartão-alimentação), seguro de acidentes pessoais e auxílio-deslocamento, quando necessário. Em caso de óbito em função de acidente durante o período de duração do contrato, a família tem direito a seguro de vida.

São reservadas 3% das vagas para pessoas com deficiência e 2% para atendimento de egressos do sistema penitenciário. A participação na Frente não constitui vínculo empregatício, já que tem caráter assistencial e de formação profissional.

Gabriel Luna
Assessoria de Imprensa da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT/SP)