Frente de Trabalho inicia qualificação profissional para ex-dependentes

Grupo após aula inaugural (foto: Dayana Alexandre)

Estado atende 25 participantes do CRATOD

São Paulo, 12 de maio de 2014 – Na manhã da última sexta- feira (9), dependentes químicos em recuperação do Programa Recomeço participaram da aula inaugural do curso de auxiliar administrativo promovido pela Frente de Trabalho. Coordenado pela Secretaria estadual do Emprego e Relação do Trabalho (SERT), o programa oferece emprego e qualificação a cidadãos com dificuldades de inserção profissional.

A aula inaugural foi ministrada pelo diretor da AVAPE (Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência), Carlos Ferrari, que falou sobre a importância que as decisões têm em nossas vidas. “A capacitação profissional é o ‘pontapé inicial’ para um novo caminho. Queremos que (os bolsistas) sejam protagonistas de seus destinos, através de boas escolhas profissionais e pessoais”, disse.

Desde fevereiro prestando serviços nos prédios da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania e do Centro de Referência de Álcool Tabaco e Outras Drogas (Cratod), de segunda a quinta-feira (6h/dia), os participantes recebem a capacitação até outubro, sempre às sextas-feiras, durante quatro horas, no auditório da Secretaria de Justiça, localizado no Pátio do Colégio. São 150h de qualificação.

Para Mário Sérgio Sobrinho, coordenador de Políticas sobre Drogas (COED), da Secretaria da Justiça, a parceria com a SERT, através da Frente de Trabalho, será fundamental para a estabilidade profissional. “Queremos capacitar os participantes de modo que busquem estabilidade profissional”, afirma.

Desde 1999 o programa Frente de Trabalho já beneficiou mais de 450 mil pessoas. “Nossa expectativa é impulsionar esse grupo para uma vida melhor através da Frente de trabalho”, diz Maria Cristina, coordenadora técnica da AVAPE.

Vidas renovadas

Bolsista da Frente de Trabalho, Wilson, ex-garçom, atua como auxiliar na biblioteca da Secretaria de Justiça (foto: Dayana Alexandre)

“Usava nove comprimidos antidepressivos por dia. Uma vida destruída e sem perspectivas. Hoje, tomo apenas três. Estou há onze meses longe das drogas. Tenho de volta minha consciência”. Esse é o panorama da vida do paulistano Wilson Conceição, 53 anos. Ele trabalhou a vida inteira como garçom em grandes hotéis, restaurantes e bistrôs. Conheceu as drogas aos 28 anos através de amigos da elite paulistana. Começou com a cocaína. “Muitas noites trabalhava chapado”, lembra. Em 2008, se envolveu com crack e foi parar nas ruas, onde conheceu a pior parte de sua vida. “Passei frio, fome e agressões. Me vi um nada. Perdi o laço familiar e o amor próprio”, lembra-se.

Sua vida mudou a partir do momento que reconheceu que precisava de ajuda. Conheceu o CRATOD, onde recebeu todo apoio necessário para sair das drogas. “Hoje é um recomeço, e a Frente de Trabalho vem para agregar mais conhecimento à minha vida. Estou aberto para novos desafios, quero ter uma vida profissional saudável e, se possível, retomar a profissão de garçom”, deseja Wilson. Atualmente, graças à Frente de Trabalho, Wilson atua como auxiliar na biblioteca da Secretaria de Justiça. Agora, o próximo passo, segundo ele, é retomar contato com seus dois irmãos. “Quero reencontrar minha família. Sei que hoje não sou mais um problema e, por isso, quero voltar a sorrir com meus irmãos”, diz.

Outro exemplo da importância da ação estadual pode ser notado na vida de José Carlos Martins. Ele perdeu contato com toda a família e amigos após se envolver com as drogas. José busca recuperar a autoestima e há quatro meses se encontra longe das drogas e das bebidas. “Hoje sei que posso superar meus limites e conquistar um espaço no mercado de trabalho com este curso. Quero aproveitar essa oportunidade para recuperar o orgulho dos meus netos”, destaca.

Como Funciona

Podem participar cidadãos de todo o Estado de São Paulo desempregados há no mínimo um ano, maiores de 17 anos e residentes há pelo menos dois anos no Estado.

O bolsista da Frente de Trabalho permanece no programa por até nove meses e recebe, mensalmente, bolsa-auxílio de R$ 210, crédito para a compra de alimentos no valor de R$ 86 e seguro de acidentes pessoais. Em alguns casos, como os integrantes do CRATOD, recebem R$100 em vale transporte.

Dayana Alexandre

Assessoria de Imprensa da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT)