Frente de Trabalho: mais nove municípios contemplados

São Paulo, 16 de setembro de 2016 – O secretário do Emprego e Relações do Trabalho José Luiz Ribeiro implantou o Programa Emergencial de Auxílio-Desemprego (Pead) – Frente de Trabalho em Mirandópolis, Guararapes, Penápolis, Coroados, Ourinhos, Ibirarema, Ipaussu, Piraju e Itaí, nos dias 14 e 15 de setembro.

As cerimônias contaram com a participação dos técnicos da Frente José da Paz e Amilton Aparecido da Silva, que orientaram sobre os detalhes do programa, e com os diretores-regionais da Pasta em Marília, Rodolfo Matos Minucci; em Araçatuba, Lucas Grandolfo; e em Botucatu, Sonia Aparecida Nunes.

Roseli Ferreira representou o prefeito de Mirandópolis. Já Eliana Lonardoni, o de Guararapes. Em Penápolis, Daniel Barbosa Rodrigueiro representou o Executivo municipal, enquanto Antonio Roberto Dal Bello marcou presença em nome de Coroados.

29612320762_f7f3a3569f_h
Em Ourinhos, a prefeita Belkis Fernandes, a presidente da Comissão Municipal de Emprego, Katia Oliveira, o representante do prefeito de Ibirarema, Jackson Almir dos Santos, e o de Ipaussu, Fernando de Paula, foram as autoridades participantes.

Na cidade de Piraju, o diretor de Turismo, Indústria e Comércio, Antônio Augusto Porto, representou o prefeito, e o presidente da Comissão Municipal de Emprego, Edson José Ribeiro, também compôs a mesa. O supervisor do PAT, Antonio Sanches, recepcionou os convidados.

Em Itaí, José Ramiro do Prado representou o prefeito. Os funcionários do Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT), que colaboraram na fase de inscrição dos candidatos, também estiveram presentes.

Histórias
Elas chamavam a atenção pela animação e simpatia. Rosa Maria Alves, 44 anos, já era conhecida de Cintia Valéria de Oliveira, 33, e de Maria Madalena de Oliveira, 53, tia de Cintia, quando souberam da abertura de vagas para a Frente de Trabalho. Desempregadas, disseram “fazer de tudo” na roça: cortar cana, carpir e o que mais vier. Mas não aparecem oportunidades na cidade em que vivem, Ibirarema, nem na região. Todas são mães, e Rosa ainda tem filhos pequenos.  Estavam felizes da vida por terem sido selecionadas “Pra quem não tem nada, tá mais do que bom”, disse Maria, com a concordância das outras.

Flávio Fernando Pereira, 32 anos, é de Guararapes. A formação em Magistério e os anos na área não são suficientes para lhe garantir uma colocação no mercado. Motivo? Aos 22 anos decidiu que seria Flávia. Passou a se vestir como mulher – porque é como se sente – e perdeu o emprego numa escola sob alegação de que iria “confundir a cabeça” dos pequenos. Desde então vive de bicos. De uns tempos para cá, a principal ocupação tem sido vender pães feitos em casa. Isso complementa a renda, que conta também com o salário de seu companheiro, servente de pedreiro. Os pais adotivos estão idosos – ele, com câncer; a mãe, internada há 90 dias após três aneurismas.

Flávia está sempre fazendo cursos gratuitos que aparecem. Sabe cuidar de cabelos também. Fala com tristeza do preconceito e sonha com o dia em que apenas a profissional esteja em evidência. “Espero que as pessoas mudem a cabeça. Por enquanto, estamos vivendo sob a graça de Deus”. Aliás, a religiosidade está presente em cada uma de suas frases. Indagada sobre o que espera do futuro, não hesita: “Espero trabalhar. Seja no que for. Pedi tanto e me foi concedido. Vou desempenhar meu papel da melhor forma. Mas um dia gostaria de voltar a desempenhar minha profissão, que é educar.”

Sidnei Valentin Fragoso Serrano, 32 anos, pouco falava dele. “Tenho muito dó das pessoas que tão sofrendo. Você entristece. Muitas pessoas são gente boa. Desejaria tudo de bom a todo mundo. Queria ver Penápolis e outras cidades gerar emprego. Só Deus pra ter misericórdia”, disse, fazendo questão de mencionar também as pessoas da vizinhança que ajudam a família.

Soube da seleção para o programa num dia em que esteve na Prefeitura para levar um carrinho de bebê que havia encontrado, para entregar como doação. E ele tem Davi, de oito meses, fruto do relacionamento de três anos com Patrícia, beneficiária de um auxílio-doença. Ex-cortador de cana – o que fez por 12 anos, desde a infância, ex-operador de máquina, disse já ter trabalhado em todo tipo de empresa. Mais recentemente, os bicos são com carga e descarga de caminhão. “Senti que chegou a minha vez. Olhei pra cima e falei ‘meu Pai, se for pra dar serviço, eu quero, porque sou louco pra trabalhar.’”

Sobre o Programa
Criado pela Lei Estadual 10.321 de 8 de junho de 1999 e regulamentado pelos Decretos 44.034/99, 44.731/00, 47.765/03 e 49.017/04, o programa tem como objetivo oferecer ocupação, qualificação profissional e renda para cidadãos que estão desempregados há pelo menos um ano e em situação de alta vulnerabilidade social. Isso é feito por meio de atividades em serviços gerais, conservação e manutenção de órgãos públicos estaduais e municipais.

Podem participar maiores de 17 anos e residentes há pelo menos dois anos no Estado. O bolsista desenvolve suas atividades por até nove meses, com jornada de seis horas diárias, quatro dias por semana, sendo o quinto dia destinado a um curso de qualificação profissional ou alfabetização. Os inscritos passam por avaliação socioeconômica para ingresso.

O beneficiado recebe, mensalmente, bolsa-auxílio de R$ 300, seguro de acidentes pessoais e auxílio-deslocamento, quando necessário. Em caso de óbito em função de acidente durante o período de duração do contrato, a família tem direito a seguro de vida. São reservadas 3% das vagas para pessoas com deficiência e 2% para atendimento de egressos do sistema penitenciário. A participação na Frente não constitui vínculo empregatício, já que tem caráter assistencial e de formação profissional.

Outras implantações
No dia 22 de agosto foi iniciada uma Frente dentro do Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo (Fussesp). Nos dias 25 e 26, o mesmo ocorreu em Urânia, Aspásia, Zacarias, Mendonça, Ubarana, Nova Aliança, Novais, Catiguá, Elisiário, Tabapuã, Marapoama, Uchoa e Paraíso (região de São José do Rio Preto), Pirangi, Taiaçu e Embaúba (região de Barretos), Suzanápolis, Lourdes e General Salgado (região de Araçatuba).

Nos dias 1 e 2 de setembro foi dado start ao programa em Pedranópolis, Votuporanga, Palestina, Ipiguá, Orindiúva e Paulo de Faria (região de Rio Preto), Guaraci (região de Barretos), Guará e Ituverava (região de Franca). No dia 9, em Pedro de Toledo (região do Vale do Ribeira) e em 16, Franco da Rocha e Francisco Morato. Na segunda (19), está agendado para Vargem Grande Paulista. Esses três municípios integram a Região Metropolitana de São Paulo.

Para este ano, entre os meses de agosto e setembro, serão disponibilizadas duas mil bolsas. Estão liberados recursos da ordem dos R$ 6 milhões entre 2016 e 2017, sendo R$ 2,4 milhões para este ano. Em 2015, o programa atendeu 1.826 bolsistas, em 65 municípios.

Assessoria de Comunicação da SERT
Texto: Adriana Rota
Fotos: Paulo Cesar Rocha

Confira todas:
Mirandópolis
http://bit.ly/2cfp59j
Ourinhos
http://bit.ly/2ct3ear
Piraju
http://bit.ly/2cfo68Q
Penápolis
http://bit.ly/2cD15dp
Itaí
http://bit.ly/2cdmKGL