Observatório do Emprego: postos de emprego em alta no Estado de São Paulo

No mês de fevereiro passado, foram criados 105.803 novos postos de trabalho formais, resultado 95% superior ao do mês de janeiro (54.436 postos de trabalho) e 31% em relação a fevereiro de 2010 (80.662).

Segundo o boletim mensal do Observatório Econômico do Emprego e do Trabalho do Governo do Estado de São Paulo(www.emprego.sp.gov.br) o resultado foi positivo em todas as regiões administrativas. O maior número de vagas oferecidas se deu na Região Metropolitana de São Paulo, onde foram gerados 46.488 postos de trabalho com carteira assinada, seguido pelas Regiões Administrativas de Campinas, 15.439 vagas, e São José do Rio Preto, com 8.708.

Embora a oferta de trabalho formal tenha aumentado, os trabalhadores ficaram mais vulneráveis em fevereiro do que em comparação ao mês anterior, conforme assinala o pesquisador Hélio Zylberstajn, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo (Fipe/USP)- parceira da SERT. “Em fevereiro, a pressão salarial diminuiu para 0,93, menor que a do mês anterior, que tinha sido 1,00. Como se sabe, quando a pressão salarial fica acima de 1,00, os trabalhadores trocam empregos com vantagem. Quando ela cai, indica uma situação menos favorável aos trabalhadores. É o que aconteceu em fevereiro”.

No acumulado dos últimos 12 meses encerrado em fevereiro de 2011, houve um crescimento líquido de 681.570 postos de trabalho formais. Desse total, 57,2% ou 389.900 vagas foram criadas na região metropolitana de São Paulo. A Região Administrativa de Registro apresentou a menor variação de emprego, com 1.554 vagas.

Em relação à geração de emprego por ramo de atividade, os destaques são para a indústria de transformação, com 20.899 novos postos de trabalho; educação, 14.149; atividades administrativas e serviços complementares, 12.006; construção, 9.316; agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, 9.008; e comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas, com 8.653 vagas. Essa seis atividades criaram em conjunto 74.021 vagas, o correspondente a 70% dos novos postos de trabalho.

Salário real médio

O salário médio dos admitidos em fevereiro de 2011 foi de R$ 1.008, sendo a maior média registrada na Região Metropolitana de São Paulo (R$ 1.111) e a menor na Região de Araçatuba (R$ 754). Embora, o salário médio dos trabalhadores tenha diminuído 5,9% em relação ao mês anterior, no comparativo a fevereiro do ano anterior houve crescimento de 3,1% em termos reais.

Rotatividade da mão de obra

A taxa de rotatividade da mão de obra no Estado de São Paulo em fevereiro de 2011 foi de 3,78%, considerando todas as atividades e todas as regiões, contra 3,70% no mês anterior e 3,54% em fevereiro de 2010.

Em fevereiro/2011 as Regiões Administrativas com as maiores taxas de rotatividade de mão de obra foram Sorocaba (4,38%) e Campinas (4,30%). As menores taxas foram observadas nas Regiões Administrativas de Barretos (3,26%) e Presidente Prudente (3,28%).

O Observatório

O Observatório do Emprego e do Trabalho analisa mensalmente o desempenho do mercado de trabalho no Estado e em cada um dos 645 municípios paulistas.

Os dados podem ser acessados pela internet, no site (www.emprego.sp.gov.br).

As análises são apresentadas em boletins mensais e abordam os seguintes temas: variação no emprego por região e setor; salário médio dos admitidos; pressão salarial; rotatividade da mão de obra; análise ocupacional do emprego; perfil da variação do emprego; e municípios em destaque.

Confira no site (www.observatorio.sp.gov.br) a íntegra do boletim de fevereiro.