Pró-Egresso torna possível a (re) inserção ao mercado de trabalho

Inclusão Social: uma precondição para liberdade e cidadania

A Constituição Federal, no seu art. 5º, dispõe que todos são iguais perante a lei, sem distinção de raça, cor, sexo, língua, credo religioso, orientação política, condição socioeconômica etc; e que todos têm direito a inclusão social, que deve ser promovida pelo Estado.

Há seis anos, o Governo de São Paulo, por meio de uma parceria entre a Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT), e a Secretaria de Administração Penitenciaria (SAP), mantém o programa Pró-Egresso, destinado a egressos em regime aberto, em livramento condicional, com liberdade provisória, indulto pleno, penas alternativas, em cumprimento pleno, além de presos em regime semiaberto.

“Cada egresso inserido no mercado de trabalho representa um ganho imensurável, tanto para o cidadão como para a sociedade”, afirma o secretario da Pasta, José Luiz Ribeiro.

Já Meri Floriano, supervisora do programa ressalta que todo egresso que deseja mudar de vida, deve acreditar que os obstáculos impostos pela vida ou pela sociedade podem ser superados.

Genito Ângelo Marciano é uma dessas pessoas que, ao longo do tempo, teve a chance de reconstruir sua vida por meio de uma oportunidade dada pelo Pró-Egresso. Marciano foi preso sob acusação de tráfico de drogas, por esse crime, cumpriu quatro anos de reclusão, passando pelas cidades de Osasco, Oswaldo Cruz e Pacaembu.

Antes de ser detido, trabalhava em uma empresa que prestava serviços de limpeza pública, no bairro da Lapa, na capital paulista. Era com a remuneração desse trabalho que Genito ajudava a filha mais velha a custear o curso de pedagogia em uma universidade particular. Durante o período em que esteve atrás das grades, sua maior preocupação era o sustento de seus familiares. “Foi um momento muito triste, mas Deus é tão bom que minha esposa recebeu ajuda de outros familiares para sobreviver”, emociona-se.

O dia de Genito na prisão se resumia a trabalhar na cozinha da penitenciaria das 6h às 15h e após esse período participava de aulas de violão ministradas por um colega de cela. “Tocar foi à maneira que encontrei para não enlouquecer na prisão”.

Atualmente, livre há seis meses, Ângelo conseguiu com ajuda do programa uma nova oportunidade de trabalho, agora, em uma construtora. “Sou grato primeiramente a Deus e depois ao programa Pró-Egresso por ter permitido que eu resgatasse minha cidadania, e dessa vez, não vou desapontar meus familiares”, finaliza Genito.

Mais Sobre o Programa
O Pró-Egresso tem por finalidade a empregabilidade e integração social. Podem se beneficiar do programa egressos em regime aberto, em livramento condicional, com liberdade provisória, indulto pleno, penas alternativas, em cumprimento pleno, além de presos em regime semiaberto.

Empresas interessadas podem realizar o cadastro de vagas no site: www.empregasaopaulo.gov.br. E os egressos podem atualizar o cadastro pessoal em qualquer um dos 250 Postos de Atendimento ao Trabalhador (PATs), ou no Centros de Amparo ao Egresso Familiar (CAEfs).

Todas as contratações atendem ao decreto de lei número 56.290/10, que determina que todos os órgãos da administração direta ou indireta disponibilizem cerca de 5% das vagas de emprego abertas na construção civil, asseio, conservação, jardinagem e plantio, alimentos, recepção, portaria e apoio logístico sejam destinadas a egressos.

Assessoria de Imprensa da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT)