SERT inicia projeto de qualificação em Ribeirão Pires

 

A iniciativa é uma parceria da SERT com diversas empresas do ramo alimentício

 

São Paulo, 3 de novembro de 2016 – Histórias de luta, dificuldade e superação se reuniram na abertura do projeto piloto chocolateria realizado pelo Programa Estadual de Qualificação (PEQ) em Ribeirão Pires. “Há dois anos tive que deixar meu emprego para cuidar do meu filho que sofre de autismo. Dali em diante as coisas ficaram muito difíceis financeiramente em casa.” Quando foi chamada para participar do projeto, Kátia Rodrigues, 56, sentiu renascer a vontade de reiniciar sua vida profissional. “Não pensei duas vezes em participar do curso. Meu marido se aposentou e fica com nosso filho o dia todo, então eu pude recomeçar. É muita felicidade”, ressalta Kátia.

30712714755_99f890b30a_o

O projeto batizado como PEQ chocolate é uma parceria entre a Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT) e empresas como a PDL, Sorvepan, Duas Rodas, Cromus, Harald, BWB embalagens, Associação Compasso e Relux. Com o objetivo de qualificar e criar alternativas de renda para os cidadãos desempregados, a ação selecionou 90 pessoas, que foram dividas em duas turmas. Serão 160 horas de curso ministrados por profissionais da área culinária. “Além de levar esperança para essas pessoas, o projeto leva noções de empreendedorismo aos participantes. Assim que forem qualificados, eles poderão solicitar empréstimo ao Banco do Povo Paulista e seguirem seus próprios caminhos profissionais”, afirmou o secretário José Luiz Ribeiro durante sua participação no evento.

30712711405_5a2d4f7b62_o

Também estiveram presentes na abertura, o coordenador de Políticas de Emprego e Renda, Pedro Nepomuceno, o vice-presidente da Sorvepan, Claudemir Soares e a diretora administrativa da Sorvepan, Eide Guimarães.

O coordenador Pedro Nepomuceno ressaltou a importância e o desejo de espalhar o projeto por todo o Estado de São Paulo. “Precisamos focar nas políticas públicas, divulgar o projeto e levá-lo as outras cidades. Não é só de qualificar, mas sim de abrir as portas para os mais necessitados”.

Recomeços

Dilcélia Silva, 38 anos, desempregada há um ano e meio, vive com a ajuda das duas filhas mais velhas e já começou a praticar em casa os aprendizados do curso. “Comecei a fazer trufas para vender. Já vendi para a família e amigos mais próximos. Para mim é uma chance de recomeçar, distrair a cabeça e conquistar minhas próprias coisas. Quando perdemos o emprego as dificuldades aparecem aos montes, é muito complicado. Por isso minha alegria de estar aqui hoje é muito maior que todas as dificuldades que passei”, alegra-se Dilcélia.

Assessoria de Imprensa da Secretaria Estadual do Emprego e Relações do Trabalho (SERT/SP)