SERT participa de Seminário de Segurança e Saúde do Trabalhador

O secretário de Estado do Emprego, Carlos Ortiz, participa, a partir das 08h30 deste sábado (29), do 17º Seminário de Segurança e Saúde do Trabalhador, que reunirá técnicos, engenheiro de segurança, médicos, enfermeiros do trabalho, além de estudantes, na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região, que fica na Rua Harry Simonsen, 202, 5º andar, Centro.

Ortiz destaca o envolvimento da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT) nas discussões desta natureza, que visam proporcionar melhores condições de trabalho aos profissionais. “A SERT tem uma bandeira para que a adoção dessas políticas passe a ser tema mais presente nas discussões de interesse público”, afirma. “A prevenção deve ser encarada por todos os envolvidos como forma de investimento. O intuito da nossa Secretaria é que exista uma maior coleta de dados e, consequentemente, uma maior conscientização por parte dos empregadores e empregados”, acrescenta.

Algumas palestras estão previstas. Entre elas, “A organização do trabalho e os problemas com a perícia médica” e “O trabalho como fonte de desenvolvimento, inclusão social e de riscos à saúde do trabalhador”. Ao final do evento, os participantes serão certificados.

O Sindicato solicitou a doação de um quilo de alimento não perecível para cada pessoa que comparecer. O alimento será destinado ao Instituto Cultural e Esportivo “Meu Futuro”, que atende 162 crianças e jovens carentes do Parque Primavera.

Números recentes

De acordo com o site do Ministério da Previdência Social:

“Em 2009, foram registrados 723.452 acidentes e doenças do trabalho, entre os trabalhadores assegurados. Este número não inclui os trabalhadores autônomos (contribuintes individuais) e as empregadas domésticas. Entre esses registros contabilizou-se 17.693 doenças relacionadas ao trabalho, e parte destes acidentes e doenças tiveram como consequência o afastamento das atividades de 623.026 trabalhadores devido à incapacidade temporária, 13.047 trabalhadores por incapacidade permanente, e o óbito de 2.496 cidadãos.”